Publicado em 21/01/2016 às 17h21, atualizado 21/01/2016 às 17h28

Freio a discos nas bicicletas de estrada

São Paulo

Numa modalidade considerada conservadora, sobretudo na vertente de estrada, a inclusão de travões de disco nas bicicletas desta vertente parece ser a maior revolução nos próximos tempos.

A Focus foi uma das primeiras marcas a comercializar bicicletas incorporadas com travõse de disco

Com a aprovação da utilização dos mesmos pela UCI que, diga-se, tendo em conta as equipas World Tour não tinha outra hipótese, foi suscitada uma nova e interessante discussão na modalidade.

Nas palavras de Brian Cookson, atual presidente da UCI, o objectivo é tornar o ciclismo mais atraente para os espectadores, ciclistas e meios de comunicação. Um pouco redutor, mas será a explicação que lhe convém. Certo é que a discussão foi aberta defendendo, essencialmente, uns a maior capacidade de travagem, logo a segurança, sobretudo em tempo de chuva, enquanto que outros relatam os perigos de potenciais lesões, nomeadamente cortes e queimaduras, numa possível queda em pelotão, ou até, numa situação com menos ciclistas. É de assinalar que os travões de disco são usados com sucesso, há vários anos, nas vertentes de btt e mais recentemente no ciclocross. Convém contudo referir que, neste aspecto, retirando a perigosidade das partidas, a possibilidade de queda colectiva é significativamente mais pequena.

Embora não acredite nisso, é necessário enunciar que esta pode ser uma aprovação como muitas outras que a UCI já fez e posteriormente retirou. Com alguma proximidade temporal é conhecido o caso dos extensores de guiador rapidamente desaprovados e, em meados da década de 90 as famosas rodas “Spinergy” foram consideradas como potenciadoras de colocarem em causa a integridade física dos atletas, nomeadamente por causa dos ferimentos provocados em quedas no pelotão.

Sobre o assunto as opiniões divergem e proliferam. Apenas o futuro, como em tudo na vida, dará razão a uns ou a outros. Uma coisa, porém, é fácil de assinalar. Se nesse futuro os travões de disco triunfarem e todas as equipas sejam obrigadas a usá-los, o nosso camarada e amigo Marco Chagas, terá de ser muito mais condescendente com os mecânicos que demoram algum tempo a trocar rodas durante as corridas!

Texto e foto: http://jornalciclismo.com/?p=40844